Insônia: com a Microfisioterapia posso melhorar?


A revista Isto é (Edição: 2058) trouxe uma reportagem mostrando as novas tendências da reabilitação da Insônia. Atualmente esta patologia atinge cerca de 20 milhões de brasileiros.

O novo Consenso Brasileiro de Insônia, concluído no final do ano passado pela Associação Brasileira do Sono, indicou uma mudança na receita para o tratamento da insônia. Segundo o neurologista Luciano Ribeiro Pinto, do Laboratório de fisiologia do Instituto do Sono e presidente da entidade, hoje em dia o tratamento é muito baseado em medicamentos. "Queremos mudar a conduta do médico e o comportamento do paciente", conclui Luciano.

"A mudança no jeito de tratar a insônia se deve à constatação de que o distúrbio tem suas raízes mais em questões psicológicas e comportamentais do que em disfunções orgânicas", segundo a Isto é. Especialistas observam que os pacientes não percebem que a insônia, na maioria dos casos, pode vir de complicações financeiras, crises familiares ou profissionais. Outras causas que auxiliam no surgimento da insônia são o estresse, ansiedade, nervosismo, depressão, dores crônicas, dentre outros. O neuroloista Nonato Rodrigues, da Universidade de Brasília, relata que quase todos os medicamentos contra a insônia causam dependência à curto prazo, além de provocarem prejuízos à memória e à atenção.

Dia após dia é verificado pelos mais conceituados pesquisadores e cientistas do mundo, que as alterações emocionais acarretam os mais variados sintomas, sendo neste caso, a insônia o bicho papão de muitas pessoas. Novos métodos baseados nestas tendências, de tratamento do emocional, tem também surgido para permitir uma melhora da qualidade de vida.

Um desses métodos é a Microfisioterapia. Como revelado no estudo r ealizado em 2014 que indicou a alteração e melhora na qualidade de sono com pacietes atendidos com a Microfisioterapia, em especial para aqueles indivíduos que apresentavam quadros de insônia. Podendo ser uma opção para os que buscam a manutenção da saúde e do bem estar ou para os que buscam tratamento para os quadros de distúrbios da qualidade do sono.

Saiba mais:

Muitas são as pessoas que possuem dificuldades para conseguir dormir. Vários estudos mostram que isso tem se tornado um problema cada vez mais geral e assola diferentes classes, cidades e hábitos de vida (National Sleep Foundation - EUA). Além disso, os problemas do sono podem estar associados a outros problemas de saúde como a obesidade e a depressão.

Embora existam padrões de sono diferentes, há indicadores claros de que uma pessoa sofre de insônia. O mais comum e, ao mesmo tempo, o mais óbvio, é o cansaço que a pessoa sente pela falta do sono, um sono que não é fácil conciliar devido a vários fatores, normalmente relacionados com os seus próprios hábitos. Para diferenciar uma dificuldade passageira para conciliar o sono de um insônia, os especialistas dizem que ela deve acontecer por três ou mais noites por semana, por no mínimo três meses.

A insônia pode ter muitos motivos, portanto o tratamento deve ser diferenciado. Veremos aqui algumas dessas causas:

  • Distúrbios relacionados com a respiração durante o sono, como a apneia;

  • A narcolepsia;

  • Os transtornos do ritmo circadiano (sono atrasado, jet lag, turnos de trabalho);

  • Transtornos causados por consumo de substâncias que afetam a quantidade e a qualidade do sono (cafeína, fármacos, drogas);

  • Distúrbios do sono resultantes de perturbações ou doenças.

Como a insônia nos afeta:

A falta de sono afeta negativamente a vida de quem sofre de insônia: não é só cansaço, mas a fadiga acumulada causa apatia, falta de concentração e irritabilidade. Não dormir o suficiente afeta a nossa energia e atrapalha o nosso rendimento no trabalho, o casamento e o relacionamento com os amigos. A falta de sono também afeta a nossa capacidade de reação, aprendizagem e memorização.

Tratamentos e técnicas para a insônia:

  • Medicamentos: a utilização de medicamentos são apenas "um paliativo" para a insônia, porque este problema depende de várias causas e do comportamento do próprio indivíduo;

  • Controle de estímulos: controlar a temperatura e o barulho do lugar onde você vai dormir. Evite passar muito tempo nesse lugar fazendo outras atividades;

  • Técnicas de relaxamento como o treinamento autógeno e o relaxamento progressivo;

  • A higiene do sonho: melhorar os hábitos que promovem o sono (diminuir a cafeína, praticar esportes, alimentação saudável, evitar o álcool, etc);

  • Melatonina - A suplementação com melatonina não causa sono, mas melhora a sua qualidade fazendo com que o indivíduo tenha um sono mais profundo. Por ser semelhante a um hormônio naturalmente produzido pelo corpo, quando utilizada de forma adequada a melatonina não tem efeito colateral, não vicia e nem perde sua eficácia com o uso prolongado. Ela pode ser encontrada em forma de comprimidos e é classificada como suplemente alimentar, mas deve ser sempre utilizada sob orientação médica;

  • Remédios caseiros - Alguns bons remédios caseiro para insônia são: suco de maracujá, chá de camomila e as cápsulas de valeriana, que são naturais e possuem propriedades sedativas, favorecendo o sono, sem efeitos colaterais.

  • Adotar bons hábitos do sono - Deitar-se e levantar-se sempre à mesma hora todos os dias, inclusive aos fins de semana; realizar atividades que aliviam o estresse poucas horas antes de dormir, como correr; fazer refeições leves a partir das 18 h, não ingerindo alimentos estimulantes como café ou chá verde; desligar todos os aparelhos eletrônicos, como tv, computador, celular, relógios ou despertadores antes de se deitar;

  • Realização de atividades físicas, como Yoga, Pilates; exercícios de relaxamento;

  • Microfisioterapia e psicoterapia.

Não espere mais!!!

Agende aqui sua consulta e durma tranqüilo (a).